Iniciativa #adoteumcv promove corrente do bem para quem busca recolocação no mercado de trabalho

Dar visibilidade a pessoas que foram desligadas por conta da pandemia. Esse é o objetivo da iniciativa #adoteumcv.

O projeto, sem fins lucrativos, foi criado no dia 15 de Abril de 2020 por Rodrigo Chiesa e Paulo Silva, profissionais que atuam na área de design e tecnologia.

A ideia surgiu depois de conversas em que eles discutiam uma forma de como poderiam contribuir para ajudar pessoas que haviam perdido o emprego em razão da pandemia a se colocarem no mercado de trabalho.

“O projeto foi desenvolvido durante uma madrugada, logo depois que tivemos a ideia. E aí, começamos a pensar: quais seriam os primeiros perfis a serem adotados? Foi quando buscamos os nomes que constavam em planilhas que estavam circulando pelo LinkedIn com profissionais que haviam sido desligados de algumas empresas”, explica Paulo Silva, um dos idealizadores do #adoteumcv.

Mas a intenção era ampliar ainda mais o espaço para a iniciativa. Então, abriu-se a possibilidade para qualquer pessoa se cadastrar e, assim, ter o seu currículo adotado/compartilhado.

“A gente podia ajudar muito mais pessoas abrindo para, quem se encontrasse nessa situação, realizar seu cadastro. Então, criamos o site – adoteumcv.org – para qualquer pessoa inserir seu currículo. Isso facilitou o compartilhamento do perfil do LinkedIn desse profissional para as redes socias de pessoas que adotaram o seu CV. Gerando, assim, uma corrente do bem nesse momento complicado que estamos vivendo”, conta o também idealizador do #adoteumcv, Rodrigo Chiesa.

A cada acesso ao site é possível ver o perfil do profissional com foto, nome e endereço no LinkedIn, com os botões para compartilhamento logo abaixo. O usuário também pode ver outros profissionais, clicando no botão “Mostre outro CV”.

Atualmente, o #adoteumcv possui uma base de 3 mil pessoas cadastradas. Em 15 dias no ar, a iniciativa já conta com uma média diária de 150 cadastros por dia, 72 mil pageviews e mais de 4 mil compartilhamentos nas redes sociais (LinkedIn, Facebook, Twitter e WhatsApp).

O objetivo de ser simples, objetivo e viral foi alcançado. Agora, o plano para as próximas semanas é liberar o acesso dos perfis dos adotados para qualquer empresa que também queira divulgar o #adoteumcv.

“A gente tem certeza que, com isso, mais pessoas poderão ser impactadas e terão mais visibilidade para conseguirem voltar o mais rápido possível ao mercado. E também esperamos que, no fim de tudo, essa corrente do bem cumpra o seu papel na sociedade”, finalizam Rodrigo Chiesa e Paulo Silva.