Calçados Bibi investe no conceito de Prateleira Infinita

Visando proporcionar facilidade e comodidade para atender todos os clientes, a Calçados Bibi investiu em ações que promovem a integração entre os canais de atendimento: as franquias da rede (o offline) com o e-commerce (o online).

Para trabalhar de forma efetiva esta questão, a marca passou a oferecer aos consumidores o conceito de Prateleira Infinita, em que disponibiliza o estoque do e-commerce como um apoio na operação das lojas físicas. Com esse recurso, o consumidor consegue ter mais variedade de escolha de produtos, optando em retirar na loja ou receber em casa.

Em um ambiente cada vez mais conectado, há quem prefira efetuar compras apenas no ambiente virtual, pela facilidade e rapidez. Em contrapartida, a loja física proporciona diferentes experiências de consumo, atendimento e percepção, já que você pode tocar ou até mesmo experimentar todos os modelos.

Além disso, há a questão da disponibilidade do estoque em ambos os canais de atendimento. Para não perder vendas por falta de determinada cor ou numeração do calçado, a Bibi desenvolveu a Prateleira Infinita.

“Basicamente, nas lojas da Bibi há uma integração com o canal de e-commerce. Dessa forma, se você está em uma unidade e deseja um determinado produto que não tem a numeração ou a cor em questão, a atendente pode efetuar a compra pelo e-commerce. Além disso, o cliente pode escolher se quer que a retirada do produto seja na própria loja ou se prefere que a entrega seja em domicílio. Aumentamos bastante as opções do estoque e isso contribui de forma direta e indireta nas vendas da rede”, explica a presidente da Calçados Bibi, Andrea Kohlrausch.

Explorando o movimento contrário, a marca também conta com um projeto chamado “Clique e Retire”. Dessa forma, os clientes podem comprar os modelos que desejam pelo e-commerce e escolher retirar na loja mais próxima. “Essa é uma estratégia diferenciada, pois quando o cliente chega para retirar o produto na loja, tem a questão do encantamento pelo ambiente e pelos demais modelos disponíveis. Dificilmente as pessoas saem sem olhar ou até mesmo comprar outros calçados”, revela Kohlrausch.

Além disso, visando proporcionar mais conforto e praticidade aos consumidores, a rede iniciou um projeto piloto, chamado de Caixa Móvel, em algumas unidades do Rio Grande do Sul e de São Paulo. Para evitar filas e que o consumidor se desloque até outro ponto da loja para efetuar o pagamento, as atendentes contam com uma máquina móvel pronta para registrar a compra.