CP+B cria réplica de rádio soviética para game Call of Duty: Black Ops Cold War

Para comemorar o sucesso de Call of Duty: Black Ops Cold War, o mais recente jogo de uma das maiores franquias de entretenimento do mundo, a Activision e a CP+B Brasil criaram uma campanha que desafia a sua comunidade a decifrar os códigos de uma rádio russa que emitia sinais misteriosos durante a Guerra Fria. Até o dia 10 de março, a rádio criada pela agência emitirá 1.000 códigos que, desvendados, darão direito a 10 mil vouchers de um XP em dobro no jogo Call of Duty: Black Ops Cold War e Call of Duty: Warzone.

A Guerra Fria foi uma intensa guerra econômica, diplomática e ideológica entre União Soviética e Estados Unidos pela superioridade mundial entre o socialismo e o capitalismo. Começou depois da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) e se estendeu até 1991. A estratégia da promoção da Activision foi mergulhar os jogadores no clima do game: convidados por influenciadores e pelas redes sociais de Call of Duty, os jogadores transformam-se em espiões e entram no site www.radiofantasma.com.br para tentarem decifrar transmissões secretas.

Na página, idêntica ao painel de rádios transmissores usados durante os conflitos da Guerra Fria, os códigos são ditos em português com forte sotaque russo, entre chiados e sinais. Caso consiga desvendá-los em até 60 segundos, o jogador irá desbloquear um segundo código que será enviado em seu email, para então conquistar o prêmio na página http://www.callofduty.com/redeem.

A Activision, uma das maiores desenvolvedoras de games do mundo, dará início à experiência a partir de hoje, 3 de março, para abrir um fim de semana de teste grátis dos modos multiplayer e Zombies Call of Duty: Black Ops Cold War.

A campanha criada pela CP+B Brasil se inspira em rádios reais, de ondas curtas, que funcionavam durante a Guerra Fria e que até hoje são um grande mistério. Essas rádios transmitiam números, ruídos e sons ritmados semelhantes a códigos. Às vezes o ruído era interrompido por palavras ditas em russo, uma sequência de números aleatórios e nomes como Ivan, Michail, Nikolai e Anna, como um código não decifrado. São elas a origem da promoção criada pela Activision e CP+B Brasil para o lançamento do Call of Duty: Black Ops Cold War.

“Conceitualmente, a promoção se inspira nas conspirações que foram pano de fundo da Guerra Fria, um momento de tensão com a possibilidade de uma iminente guerra entre os blocos americanos e soviéticos, herança ainda da Segunda Guerra Mundial. Nossa inspiração foi uma rádio real e a partir dela desenvolvemos uma ativação online imersiva, que simula aquele ambiente tenso e recompensa os nossos jogadores espiões”, diz o sócio e CCO Marcos Medeiros, da CP+B.

A criação da campanha de promoção de lançamento do Call of Duty: Black Ops Cold War, que também conta com um filme de 60”, começou em setembro de 2020, em plena pandemia. Sua produção exigiu pesquisas e realização de detalhes minuciosos e inusitados. O locutor que dita os códigos no site www.radiofantasma.com.br, é ucraniano e vive na Alemanha. Ele aprendeu as letras e os números em português exclusivamente para realizar o trabalho. A linguagem do áudio reproduz fielmente uma transmissão espiã soviética, com os diferentes bipes que a rádio emitia, os chiados e o tom da voz do locutor.

Para chegar à imagem do rádio do site, a criação estudou diferentes modelos da época da Guerra Fria e consultou um especialista em estruturas de redes de radiodifusão para que ficasse o mais próximo de um aparelho original soviético. As cenas do filme, carregadas de mistério e que percorrem um prédio abandonado, foram feitas numa antiga delegacia do bairro paulistano da Mooca, que remete a uma repartição pública abandonada e esquecida pelo tempo.

Veja: