The End reforça departamento de composição com a contratação de Guilherme Sarinho

Após um processo de expansão, a The End, até então uma editorial house, passa a oferecer ao mercado audiovisual todos os serviços de pós-produção em um só lugar. Focada em reunir grandes talentos da área, acaba de contratar Guilherme Sarinho como artista sênior e head de composição da casa, que passa a se posicionar como uma boutique de edição e de pós-produção.

Sarinho chega de uma experiência no Canadá, onde trabalhou na MPC, integrando o time de composição do filme “1917”, que disputa o Oscar 2020 na categoria efeitos visuais. “Trabalhar com profissionais do mundo todo e grandes diretores coloca a barra de exigência nas alturas. Você treina o olhar e aprimora os conhecimentos técnicos e artísticos. É um esquema de trabalho enriquecedor”, ressalta o profissional sobre a experiência internacional.

Natural de Recife, Sarinho é formado em Publicidade e depois de passagens por um canal de TV e produtoras locais, mudou-se para São Paulo, onde trabalhou em estúdios como a Vetor Zero, a Nash, a Lobo e a O2 Filmes. Como freelancer, ele também atuou em diversos projetos nacionais e internacionais.

“Investir em talentos faz parte da nossa cultura. Quando expandimos os serviços para entregar todas as soluções de pós-produção, estávamos em busca de um artista que liderasse a nossa área de composição, que hoje conta com outros profissionais. O Sarinho é um profissional excepcional e jovem. Ele atende o nosso propósito de entregar as demandas dos mercados de publicidade e de entretenimento”, comenta Duda Izique, sócio e diretor executivo e comercial na The End.

“A The End trabalha em um esquema muito interessante, não só por fazer a finalização de ponta a ponta, mas pela preocupação de receber material e acompanhar desde a filmagem. Outro ponto positivo é o fato de ser ágil e capaz de atender às necessidades do mercado”, conclui Sarinho, otimista com os novos desafios dentro da nova casa.