i-Cherry estrutura time de acessibilidade digital

A i-Cherry, martech de estratégias de mídia do Grupo WPP, estrutura em sua operação um time de acessibilidade digital, com o objetivo de tornar negócios inclusivos para mais de 45 milhões de pessoas com deficiência.

Segundo o último censo do IBGE, no Brasil, as pessoas com deficiência representam uma renda mensal de mais de 11 bilhões de reais – apesar disso, a falta de acessibilidade web ainda é um grande impeditivo para que esses consumidores interajam virtualmente com pequenas e grandes marcas.

A Guide, primeira corretora de investimentos a investir em ações digitais de acessibilidade, reestruturou todo o site para uso de ferramentas com a consultoria da i-Cherry. Dentre as ações, foram inseridos links de atalho para quem precisa navegar por teclado, assistente virtual de tradução em libras nos sites Guide e O Guia Financeiro, leitura em áudio disponível nos sites Guide além de resumo em texto de informações importantes abordadas nas lives, peças de redes sociais com texto alternativo nas imagens e descrição na legenda do post e treinamentos internos voltados ao tema.

“Atender e conversar com todos os públicos é a nossa obrigação. Entendemos que muitas melhorias precisam ser feitas em todo o nosso trabalho, mas estamos no caminho para oferecer cada dia mais acessibilidade. Por isso, contamos com a consultoria especializada da i-Cherry e estamos trabalhando para que nossos canais digitais estejam cada dia mais acessíveis e inclusivos para todos os nossos clientes e parceiros”, comenta Fernanda Giuletto, Head de Marketing da Guide Investimentos

Hoje, menos de 1% dos sites brasileiros são acessíveis para pessoas com deficiência – um percentual muito baixo para uma adequação que está prevista em Lei (13.146) desde julho de 2015. Para a i-Cherry, especialista em canais digitais, os números reforçam a importância de uma consultoria especializada. Entre os objetivos do trabalho estão a conscientização sobre o tema e a orientação de melhores práticas para de ambientes virtuais inclusivos para todas as pessoas, não apenas as com deficiência.

Na agência, o time de especialistas responsável pela operação é formado por profissionais multidisciplinares, que também são pessoas com deficiências. Para potencializar ainda mais o trabalho e ampliar as discussões, o time conta com o apoio de um comitê de acessibilidade digital formado por colaboradores de diferentes setores. Atualmente, o grupo possui mais de 30 profissionais e é dirigido por Adriano Nadalin, CEO da i-Cherry.

“Historicamente, gostamos de trazer para a mesa assuntos que proporcionam mudanças necessárias. Nós, como especialistas em comunicação, precisamos trabalhar para ser o impulso que vai transformar este cenário”, afirma Nadalin.

Para realizar diagnósticos precisos e recomendar as melhores práticas, o time de especialistas leva em consideração quatro pilares fundamentais: tecnologia, comunicação, posicionamento e educação. As recomendações são baseadas em análise de dados internos e oportunidades de mercado e vão além de websites: todo canal de comunicação digital pode ser otimizado, de sistemas a redes sociais.

“A nossa premissa é promover mudanças que gerem valor. Conteúdos e interfaces acessíveis podem atingir um público maior – gerando mais receitas, demandas e impacto positivo no posicionamento da marca. Todo mundo sai ganhando”, acrescenta Amanda Lyra, líder do Time de Acessibilidade da i-Cherry.