Órama TV o primeiro canal de entretenimento financeiro

A partir do conceito de entretenimento financeiro, apresentando informações de modo fácil, criativo e agradável, a Órama inova mais uma vez e apresenta a Órama TV, no YouTube. É mais um passo em linha com o propósito de democratizar o acesso ao mercado financeiro.

“É o primeiro canal de entretenimento financeiro do mercado. Esse conceito é baseado na convicção de que as informações são mais bem absorvidas se forem transmitidas de um jeito agradável e divertido”, afirma Dedé Eyer, CMIO da Órama, uma das plataformas pioneiras a oferecer investimento digital no Brasil.

A ideia é desmistificar o mercado financeiro como um universo complexo e hermético, por meio de linguagens que não são as comumente utilizadas nas abordagens tradicionais, como cursos. O canal atende a todos os investidores, sejam aqueles que estão começando ou os que já têm alguns anos de estrada.

“Temos trilhas adequadas a diferentes níveis de conhecimento e playlists específicas sobre um determinado assunto”, diz Eyer.

O canal vem sendo construído desde o último ano para ter um volume de conteúdo adequado à proposta, e hoje conta com programas como:

– “Manual dos erros clássicos”, que conta as armadilhas do mercado com uma linguagem baseada no grupo inglês Monte Python;

– “Me Poupa Oswaldinho”, um desenho animado onde uma ovelha financeiramente irresponsável é apresentada aos conceitos e produtos do mercado por sua melhor amiga, a cachorra Mel;

– “Traduz aí”, onde o CFA Phil Soares explica o balanço das empresas mais relevantes do momento de um jeito que todo mundo consegue entender.

– “Dá um search”, programa em parceria com a B3 e que alcançou 1 milhão de views nos 4 primeiros episódios, onde Gilvan Bueno, gerente educacional da Órama, responde às principais perguntas sobre bolsa feitas ao Google.

“Nós acreditamos que, de modo geral, o mercado utiliza uma linguagem muito própria e auto-referente, o que dificulta a compreensão por quem ainda está desbravando o mundo financeiro. A necessidade de educação financeira é atendida basicamente por oferta de cursos, mas esse não é o único formato para educar ou passar informações. O entretenimento pode ser o melhor meio”, acredita Eyer.