Instituto Cultural ESPM resgata anúncios da principal referência sobre almanaques brasileiros no início do século XX

O Instituto Cultural ESPM, que tem como principal finalidade promover pesquisas, produzir conteúdo e difundir atividades e serviços culturalmente interessantes para a melhor formação acadêmica de alunos, professores e interessados, acaba de editar o livro Annuncios do Almanak de Laemmert: 1919, 1923, 1924, que traz uma seleção de 40 anúncios da mais importante referência sobre almanaques brasileiros do início do século XX – do período entre o pós Primeira Guerra Mundial e meados da década de 1920 -, o Almanak Laemmert.

Para o desenvolvimento deste relevante projeto, o Instituto Cultural ESPM repete a parceria de sucesso realizada com o pesquisador Paulo Cezar Goulart, que participou da bem sucedida edição de Partituras publicitárias antes do rádio – por Amilton Godoy.

Em seus 80 anos de circulação, o Almanak Laemmert construiu uma sólida trajetória, com conteúdos cuidadosamente produzidos e de alta confiança entre os seus leitores. Com cerca de mil páginas por edição e distribuição nacional, abrangia extenso e diversificado público, por se tratar de uma publicação que reunia informações relativas a variados segmentos.

Para Geraldo Alonso Filho, Diretor do Instituto Cultural ESPM, o Almanak Laemmert representava, possivelmente, a escolha de um veículo que integrava, com destaque, o grupo das principais publicações do período. “Ter um anúncio publicado no Almanak Laemmert significava participar de um dos mais relevantes anuários comerciais brasileiros do período”, destaca.

Após identificar que o Almanak Laemmert seria a melhor opção para o projeto, por ser o mais relevante de sua época e retratar um período pouco conhecido e estudado da comunicação comercial impressa no Brasil, faltava ao Instituto Cultural ESPM definir quais seriam os anúncios contemplados no livro. Neste momento, o trabalho do pesquisador Paulo Cezar Goulart foi determinante. E chegou-se à conclusão de que as edições de 1919, 1923 e 1924 seriam as escolhidas, uma vez que esse intervalo do Almanak Laemmert, em sua trajetória secular, muito provavelmente representou o ponto alto de sua produção publicitária, destacando-se o Livro de Ouro de 1923, uma edição especial do Almanak em homenagem à celebração do centenário da Independência do Brasil.

“Esta memória editorial-publicitária contribui para uma melhor compreensão de como a trajetória de uma publicação alinha-se a um percurso e a uma concepção publicitária para construir um importante momento – ou até um dos pontos altos – da comunicação comercial impressa no Brasil”, explica Alonso Filho.

O Annuncios do Almanak de Laemmert: 1919, 1923, 1924 traz apenas produtos brasileiros ou aqueles que eram importados e comercializados com exclusividade em nosso País. Dos quarenta anúncios selecionados, seis deles são de empresas que ainda estão em funcionamento, com o mesmo nome ou mudando após aquisição, como a Fabrica de Artigos de Vime de Anselmo Cerello & Cia; a Fabrica de Cerveja Paraense, hoje pertencente à Cerpa; a Fabrica de Cimento Rodovalho, adquirida pela Votorantim; a Lacta, adquirida pela Kraft Foods, que hoje pertence à Mondelez Internacional; a Leão Junior & Cia., que produz o Chá Matte Leão; e a Sul América.

Para J. Roberto Whitaker Penteado, Diretor-presidente da ESPM, se considerarmos que este projeto reúne anúncios de empresas brasileiras ou estrangeiras que operavam no Brasil no final da década de 1910 e no início da seguinte, elaborados no exterior e montados no país antes do advento das próprias agências de propaganda, estamos diante de anúncios “artísticos” nunca estudados em seu contexto. “Como diriam nossos alunos de Jornalismo: um ‘furo’ de reportagem do Instituto Cultural ESPM”, comemora Whitaker Penteado.