Bate-papo com Francisco Custódio VP de Mídia da Africa

Grandes Nomes da Propaganda conversa com Francisco Custódio VP de Mídia da Africa.

Como a gestão de dados impacta a atividade de mídia e os profissionais que atuam na área?

Dados sempre foi a base fundamental para qualquer profissional de mídia, o que aconteceu nos últimos anos é que esses dados se multiplicaram de uma forma absurda. Nosso desafio é saber como refiná-lo e principalmente como fazer circulá-lo dentro de toda engrenagem da agência. O impacto disso tem exigido um profissional de mídia com vários outros skills: mais analítico e muitos deles com formação em estatística, engenharia, etc.

Quais os requisitos para um profissional atuar na mídia atualmente?

O atual profissional de mídia precisa ser um maestro para orquestrar tanta informação, saber como tirar o melhor proveito dela, sem nunca deixar de lado a questão da inovação e da criatividade. Precisa cada vez mais ser um cara de tecnologia, com capacidade analítica e foco em dados.

O que é essencial para a área de mídia em uma era multitelas?

Capacidade de entender a jornada de “telas” do consumidor e como abordá-lo em diferentes situações do seu dia. Importante entender que essa jornada se modifica mesmo dentro de uma única plataforma, dependendo do momento e disposição do consumidor para consumir determinado conteúdo.

Como tem observado a internalização da mídia em alguns anunciantes, como ver materializa essa relação e como a agência participa desse processo?

Eu particularmente tenho orgulho de ter participado do trabalho de internacionalização de duas grandes marcas brasileiras (Itaú e Vale), para que esse trabalho seja feito com eficiência é fundamental o apoio de uma rede internacional. Nessa operação, o conceito criativo normalmente é desenvolvido no Brasil (HQ), mas é fundamental um conhecimento local para desdobramento em cada um dos países. Principalmente entender o estágio de maturidade da marca em cada um deles, etc.

Por que a agência é essencial na negociação com os canais?

A importância da agência nesse contexto é fundamental porque ela agrega dois fatores que não são somente eficiência de mídia. Ela agrega estratégia e criatividade com todo o seu conhecimento de causa. A eficiência de mídia sem essa composição estratégica é sem dúvida, um produto comoditizado.

Como exercer criatividade em mídia?

Com curiosidade e inquietude para desbravar o novo. A criatividade pode surgir de muitas fontes distintas, é fundamental que o profissional de mídia esteja conectado com novas tecnologias, entendendo com clareza os objetivos que estão postos à mesa.

O profissional de mídia precisa gastar mais tempo com isso, precisa se disciplinar para isso?

Na África, exigimos dos profissionais de mídia que dediquem minimamente 20% do seu dia pensando em como trazer diferenciação para os projetos e marcas que estamos trabalhando.

O que está além do GRP?

Criatividade, capacidade de analisar dados, conexão com novas tecnologias e sobretudo, conhecimento profundo do consumidor e da marca.