Buser comemora 4 anos patrocinando gigantes de Minas

A Buser completa 4 anos com um anúncio que fez vibrar as duas maiores torcidas de futebol de Minas Gerais. A startup mineira assinou contratos de patrocínio com o Atlético e o Cruzeiro.

Pelos próximos 12 meses, a logomarca da empresa estará estampada nas camisetas do Galo e da Raposa. “Nossa paixão pelas estradas é tão grande quanto o amor pelo futebol. Nossa luta pela liberdade de escolha e pela democratização das viagens é tão forte quanto o grito das torcidas”, ressalta o cruzeirense Marcelo Abritta, CEO da Buser e fundador da startup, ao lado do atleticano Marcelo Vasconcellos. “Nada mais justo do que unir essas paixões, impulsionando a Raposa e do Galo para muitas conquistas e incentivando as torcidas”, completa Abritta.

Além do golaço em Minas, a Buser segue confiante na retomada do turismo com o controle gradual da epidemia. Com quase 4 milhões de passageiros cadastrados em todo o Brasil, a empresa quer chegar ainda mais longe. Presente em 24 estados, a plataforma de mobilidade planeja expandir as operações criando 10 mil trechos e conectando 1.000 cidades até o fim de 2021, sendo 400 no modelo de fretamento e 800 no modelo de marketplace. A ideia é conectar uma em cada cinco cidades do País na virada para o ano que vem.

Esse crescimento está ancorado no aporte concluído em junho. Na rodada série C, liderada pelo fundo de impacto social LGT Lightrock, a Buser levantou R$ 700 milhões. No ciclo dos próximos dois anos, irá investir R$ 1 bilhão no País, recursos usados principalmente no processo de expansão. A expectativa, em termos de receita (ou GMV, a métrica usada pelas startups), é crescer 10 vezes até o final de 2022.

“Apesar de todo o cuidado com a retomada do turismo, pois sabemos que tudo depende da vacinação em massa, estamos animados com o que vem por aí. Junho foi o quarto melhor mês da história da Buser, inclusive com um fluxo de caixa positivo. Estamos nos preparando para que a operação atenda a maior parte dos desejos dos brasileiros, e as pessoas consigam viajar com segurança e preço baixo”, afirma Abritta.