Perdigão reformula toda linha com projeto da Narita Design & Strategy

O que Perdigão representa na rotina das pessoas? Quais os sabores e aromas que mais despertam as nossas emoções? Em busca dessas e de outras respostas do universo de Perdigão (BRF), a equipe da Narita fez uma imersão na casa de brasileiros de todos os cantos do País.

O objetivo era investigar muito além de hábitos e comportamentos. O trabalho foi em busca do que de fato aproxima o consumidor da marca. O resultado é a reformulação da identidade visual de toda a linha de produtos de Perdigão, que chega este ano ao mercado.

A logomarca assumiu contornos mais sofisticados e as perdizes (presente na marca há mais de 80 anos) ganharam suavidade e tamanho maior, garantindo destaque visual no PDV. O vermelho assumiu a força do color code, dando destaque e unicidade para as embalagens. “Tínhamos o compromisso de renovar a marca, sem perder sua força e tradição. Adicionar o que aproxima e conversa com as emoções humanas, o que para nós é essencial na decisão de compra”, declara Mario Narita, CEO da Narita Design & Strategy.

Para isso, a Narita utilizou o Processo Límbico – método proprietário de investigação que parte de uma série de estímulos visuais, para identificar quais as formas, cores e ideias que melhor acionam as emoções do público-alvo.

O time multidisciplinar da Narita investiga o comportamento humano por trás do processo de compra e do momento de consumo para conseguir um design voltado para performance. No caso de Perdigão, o ponto de partida foi entender melhor o que significa cozinhar com carinho, família reunida, tempero caseiro e refeições fartas.

O processo de pesquisa foi divido em duas etapas. Na primeira foi utilizada uma das ferramentas que complementa o Processo Límbico, Antropologia Visual, que investiga o comportamento a partir do estudo de objetos, espaços e tudo aquilo que as pessoas escolhem para compor seu universo material. “Em todo o processo de redesign da marca, nos preocupamos em trabalhar elementos que aproximassem as consumidoras do feito em casa. Texturas, potes de temperos, tábuas de madeira e utensilio de cozinha foram adotadas para criar a nova identidade”, explica Mario.

A segunda etapa foi decisiva. Diversas rotas para a nova marca foram levadas para grupos de co-criação com consumidores, e desta forma foi possível lapidar os códigos visuais e alcançar os objetivos do cliente.