Instituto Avon promove ações da campanha nacional pelo fim da violência contra a mulher

Desde 25 de novembro de 1986, durante os meses de novembro e dezembro, a ONU convoca o mundo inteiro para discutir questões relacionadas à violência contra as mulheres por meio da sua campanha mundial “16 dias de ativismo”, sempre com início no dia 25, Dia Internacional de Combate à Violência Contra a Mulher, e término em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos.

Mas, no Brasil, para destacar a dupla discriminação vivida pelas mulheres negras, as atividades começam antes, no dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, e marcam o início dos 21 dias de atividades. Para marcar o período, o Instituto Avon, organização ligada a uma empresa privada que investe em ações pelo enfrentamento à violência contra a mulher, apoiará a realização de mais de 100 ações em todo o Brasil, como eventos artísticos, arte urbana, exposições fotográficas, entre outros, com o objetivo de engajar mais pessoas em favor da causa.

Além das ações durante os 21 dias de ativismo, o Instituto Avon conta com uma campanha online, divulgada nas redes sociais da marca: www.facebook.com/institutoavon e Instagram. Com o mote “A mudança começa quando o silêncio termina”, a organização pretende dar luz à questão da violência invisível, com o intuito de provocar uma mudança de comportamento. Para participar da campanha digital, basta usar a hashtag #VamosConversar.

A ativista Maria da Penha e a cantora Daniela Mercury são algumas das personalidades que se engajaram voluntariamente à campanha. Como reforço de informações sobre a causa, a campanha no Brasil contará com a divulgação de materiais informativos, vídeos conceituais, exposições fotográficas e ações presenciais de engajamento.

Desde 2008, o Instituto Avon já investiu R$ 20 milhões em 102 projetos e ações voltados para a educação, articulação, apoio a projetos e engajamento da sociedade nesta causa, que já impactaram mais de 1,5 milhão de pessoas em todo o país. A campanha Fale Sem Medo do Instituto Avon se soma à campanha global Speak Out Against Domestic Violence coordenada pela Avon Foundation For Women, que já direcionou mais de US$ 50 milhões para a causa em mais de 50 países.

Neste ano, o desafio do Instituto Avon é tornar o enfrentamento à violência contra as mulheres um hábito e, para isso, propõe a mobilização de toda a sociedade no reconhecimento das violências invisíveis a partir da reflexão e diálogo. “Quanto mais “invisível” for a violência, mais difícil dela ser identificada e mais prejudiciais e profundos são os danos causados por ela. Por isso, não podemos partir da premissa de que apenas apontar o erro já é suficiente para provocar uma mudança de comportamento. Precisamos que as pessoas sejam protagonistas e passem a reconhecer que existe um problema que é de todos nós e só pode ser enfrentado com mudanças de atitude”, afirma Mafoane Odara.

O principal evento será o Fórum Fale Sem Medo, no dia 07 de dezembro, no Masp, em São Paulo. Em sua 4ª edição, o fórum reunirá especialistas, ativistas e sociedade para uma discussão aberta sobre os temas que envolvem o enfrentamento à violência contra a mulher. Durante o Fórum Fale Sem Medo também será lançada a pesquisa “O papel do homem na desconstrução do machismo”, realizada pelo Instituto Avon em parceria com o Instituto de Pesquisa Locomotiva. “Para este evento, são esperados artistas, músicos e mais de 1000 convidados que vão discutir o papel do homem no enfrentamento à violência contra as mulheres”, explica a coordenadora de projetos voltados para a Violência contra as mulheres do Instituto Avon, Mafoane Odara.

Para ela, os homens precisam influenciar a mudança da cultura machista mudando suas próprias atitudes e convencendo outros homens a fazerem o mesmo. As outras três pesquisas, feitas em parceria com o Instituto Data Popular, foram: Violência contra a mulher no ambiente universitário (2015); Violência contra a mulher: o jovem está ligado (2014); e Percepção dos homens sobre a violência doméstica (2013).

Em 2015, o Instituto lançou com a Avon a ‘Linha 180’, uma linha de maquiagem invisível que não maquia, mas, ao contrário, revela a dor e o sofrimento da mulher que sofre violência doméstica. “O nome ‘linha’ é um trocadilho que remete à linha telefônica 180, um serviço da Secretária de Políticas para Mulheres (SPM) que orienta as mulheres que estão em situação de violência”, explica Mafoane.

Ao propor o uso da ‘nova maquiagem’, a campanha impactou mais de 10 milhões de pessoas e inspirou as mulheres a usarem a linha 180 para pedir orientações. Ao fazer a ligação, ao mesmo tempo em que a mulher recebia informações sobre as formas de violência doméstica, ela recebia mensagens de autoestima e encorajamento para que denunciasse a violência.