Purple Cow cria projeto “Haters pro Bem”, em parceria com a ONU

Em decorrência da pandemia da Covid-19, ONU-Habitat, ISER, Purple Cow e Ame Digital juntam-se para levar ajuda à população vulnerabilizada de cidades brasileiras. A ação foi iniciada, nesta terça-feira (05), por dez grandes complexos de favelas do Rio de Janeiro (Cidade de Deus, Rocinha, Complexo do Alemão, Penha, Jacarezinho, Lins, Vila Kennedy, Chapadão, Pedreira e Maré).

Os impactos da pandemia são maiores na população que vive em assentamentos informais e favelas em todo o mundo. No Brasil, atualmente cerca de 11 milhões de pessoas residem em assentamentos informais e 7.225 milhões de habitações apresentam déficit de, pelo menos, um tipo de serviço de infraestrutura. A Covid-19 pode fazer com que muitos territórios demorem anos para se recuperar, se medidas de apoio especiais não forem fornecidas a essa população.

Diante dessa realidade, a agência Purple Cow criou o movimento “Haters Pro Bem” para ajudar o ONU-Habitat, Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos, a arrecadar fundos com o objetivo de proporcionar segurança, saúde, moradia, alimentação, além de geração de renda, e garantir condições básicas de higiene e prevenção à Covid-19. A campanha, cujo mote é “Cuide da vida de quem precisa”, foi desenvolvida também em parceria com o ISER (Instituto de Estudos da Religião) e tem o apoio do super app Ame Digital e das produtoras Canja Audio Culture (som) e SlingShot (digital).

O movimento visa incentivar celebridades e influenciadores atacados por haters na internet a transformar o ódio em uma campanha de doações, respondendo os comentários ofensivos com a URL http://cuidedavidadequemprecisa.com.br/.

Acessando o site da campanha, as pessoas poderão fazer doações por meio da Ame Digital, acompanhar a meta de arrecadações e conhecer mais sobre as dez comunidades que serão inicialmente beneficiadas: Complexo do Alemão, Cidade de Deus, Rocinha, Penha, Jacarezinho, Lins, Vila Kennedy, Chapadão, Pedreira e Maré. O conteúdo do portal foi produzido e gravado em parceria com film makers e fotógrafos residentes nessas favelas.

Haverá também um perfil no Instagram (@hatersprobem), cuja proposta é uma interação com haters por meio da seguinte mensagem: “Gosta de cuidar da vida dos outros? cuidedavidadequemprecisa.com.br”.

“Mais do que levantar recursos para ajudar pessoas em situação de vulnerabilidade, via a estrutura operacional da ONU e do ISER, o projeto quer jogar holofotes na situação de quem vive nas favelas do Rio de Janeiro, principalmente nesse delicado momento de pandemia. Buscamos provocar uma reflexão sobre a energia que muitos haters gastam cuidando da vida de outras pessoas. Queremos engajar o maior número possível de influenciadores, fazendo com que eles e elas compartilhem a URL em resposta aos seus haters, amplificando o alcance do projeto. Com uma simples URL estamos buscando provocar reflexões, enquanto motivamos doa& ccedil;ões para ajudar quem está precisando de ajuda”, analisa Cassio Filho, CCO da Purple Cow.

Segundo Rayne Ferretti Moraes, Oficial Nacional do ONU-Habitat para o Brasil, ficou claro que “a Covid-19 afetou e transformou a vida das pessoas em todo o mundo, entretanto, vemos que a capacidade de resposta de cada pessoa depende do local onde mora, do gênero e da raça. Pretendemos, com essa iniciativa em parceria com o ISER, a Purple Cow e a Ame, preparar mecanismos que intensifiquem a capacidade de resposta e de acesso a meios de proteção e recuperação de quem mais precisa ”. “Converter a energia do ódio supérfluo na internet em ações de consciência coletiva pode ser a ferramenta adequada para aprofundar a ideia de que essas comunidades são parte da cidade e não devem ser deixadas para trás em momento algum, seja de crise, seja em tempos normais”, complementa Rayne.

Veja: