Hands inicia operação internacional e contrata Márcio Chaer como VP de International Business

Marcio Chaer

Após o lançamento no Brasil da MDM (Mobile Data Management), plataforma de mídia e dados mobile da Hands, a empresa inicia sua expansão internacional. O projeto teve início com um trabalho de pesquisa e análise de mercados potenciais, no qual foram identificados dois grandes mercados de atuação: Latam e Europa.

No mercado latino americano, a presença teve início no México, país no qual a Hands começou a atuar em Janeiro deste ano e já possui alguns clientes como Grupo Herdez, IBM, Spotify.

“O mercado de AdTech é baseado em escala e após testarmos com sucesso nossa plataforma com os principais Publishers, Operadoras e Marcas do Brasil entendemos que já era o momento de partir para o desafio Internacional. Fizemos algumas abordagens iniciais e a receptividade foi boa, então resolvemos acelerar essa frente partindo inclusive para mais mercados”, afirma João Carvalho, CEO da Hands.

Para ajudar em todo esse processo, a Hands trouxe Márcio Chaer como VP of International Business. Com 20 anos de experiência em papéis estratégicos em internacionalização e inovação para multinacionais e startups, o executivo possui experiência em expansão de negócios nos mercados latino-americanos e europeu nas indústrias de Telecom, Digital Mobile, FinTech, HealthTech e Marketing. Foi Diretor da Mobile Marketing Association (MMA) LATAM e Diretor de Advertising Acceleration LATAM para a Telefónica Digital na época em que foi criada a operação de Mobile Advertising do grupo Telefonica / Vivo.

“A maturidade do mercado Mobile e de AdTech Latam ainda está cerca de três anos atrás do Brasil, assim como alguns mercados na Europa. Com isso, é uma oportunidade para a Hands aplicar sua expertise e apresentar seu portfólio de produtos nestes mercados”, explica Marcio. A sede da área Internacional será baseada em Miami, onde ocorrerá toda a operação LATAM e Europa.

“Temos a expectativa que ainda este ano, a área internacional da possa gerar 10% da receita com projetos de mídia, dados, pesquisas e insights através da MDM”, conclui João Carvalho.